Mais visualizações

Florestas Nativas - Estrutura, dinâmica e manejo

Descrição rápida
O livro foi elaborado com o objetivo de disponibilizar material didático para estudantes e profissionais da Engenharia Florestal e áreas correlatas. Trata-se, portanto, de obra que poderá contribuir substancialmente para o ensino de graduação e de pós-graduação no Brasil e dará suporte para treinamento e capacitação de recursos humanos, para atendimento dos setores florestal, agrícola e ambiental.

Preço normal: R$106,00

Preço especial: R$70,49

Detalhes

Apresentação: No livro “Florestas Nativas: estrutura, dinâmica e manejo” são abordados tópicos relacionados com: composição florística e estruturas de florestas nativas; crescimento, dinâmica e prognose da produção; tempo de passagem; plano de manejo; determinação de cortes seletivos; regulação da produção sustentável; censo com mapeamento de árvores; sistema de colheita; sistemas silviculturais; avaliações de impactos ambientais do manejo de florestas nativas; avaliação econômica; uso múltiplo; e critérios e indicadores para manejo sustentável de florestas nativas. O livro foi elaborado com o objetivo de disponibilizar material didático para estudantes e profissionais da Engenharia Florestal e áreas correlatas. Trata-se, portanto, de obra que poderá contribuir substancialmente para o ensino de graduação e de pós-graduação no Brasil e dará suporte para treinamento e capacitação de recursos humanos, para atendimento dos setores florestal, agrícola e ambiental.

Autores: Agostinho Lopes de Souza e Carlos Pedro Boechat Soares

Páginas 322
ISBN 9788572694636
Formato 21x28
Assunto Florestal
Ano 2013
Editora Editora UFV

Sumário:

CAPÍTULO 1
ANÁLISE ESTRUTURAL DE FLORESTA NATIVA 13
Composição florística 13
Listagem de espécies 13
Índices de similaridades de Jaccard e Sorensen 13
Agregação de espécies 20
Índices de diversidade 30
Estrutura horizontal 38
Densidade ou abundância 39
Dominância 39
Frequência 39
Valor de importância 40
Valor de cobertura 40
Exercícios 43
Estrutura vertical 48
Valor fitossociológico 49
Posição sociológica 50
Análise complementar 52
Exemplo de aplicação da estratificação baseada na relação entre variância e média das alturas 53
Estrutura da regeneração natural 55
Estrutura interna 58
Qualidade de fuste 58
Valor de importância ampliado economicamente 59
Análise complementar 61
Análises qualitativas 62
Estrutura paramétrica 68
Estrutura diamétrica 69
Estrutura diamétrica balanceada 89
Referências 94

CAPÍTULO 2
ANÁLISE ESTRUTURAL PARA AMOSTRAGEM MULTINÍVEL 97
Estrutura horizontal 97
Frequência Absoluta e Frequência Relativa 97
Densidades absoluta e relativa 99
Dominâncias absoluta e relativa 100
Valor de cobertura 100
Valor de importância 100
Estrutura paramétrica 101
Densidade absoluta 101
Dominância absoluta 101
Volume por hectare 101
Índice de similaridade de Jaccard e Sorensen 109
Índice de diversidade Jackknife de shannon-weaver (H’) 109
Exercícios 111
Exercício 1 111
Exercício 2 113
Exercício 3 113
Exercício 4 114
Referências 117

CAPÍTULO 3
FUNDAMENTOS SOBRE O CRESCIMENTO DE FLORESTAS NATIVAS 118
Introdução 118
Crescimento e manejo florestal 119
Idade, sítio e tamanho 122
Modelos de crescimento e produção 123
Enfoque sobre o estoque de carbono 125
Estimativas de biomassa e carbono 126
Biomassa acima do solo 126
Biomassa de raízes 128
Biomassa total 128
Estoques totais de carbono e de dióxido de carbono 128
Referências 131

CAPÍTULO 4
ESTUDOS DE DINÂMICA EM FLORESTAS NATIVAS 133
Monitoramento das Florestas do Brasil 133
Inventário florestal contínuo 134
Metodologias de IFC 135
Estimativas de incremento e crescimento 138
Incremento periódico médio anual em diâmetro (IPD) 139
Incremento periódico médio anual em área basal (IPG) 139
Incremento periódico médio anual em volume (IPV) 140
Crescimento e incremento periódico bruto e líquido 141
Ingresso (ingrowth) ou recrutamento 141
Mortalidade 142
Taxa de mudança 142
Exercícios 143
Referências 157

CAPÍTULO 5 
PROGNOSE DA PRODUÇÃO EM FLORESTAS NATIVAS 159
Introdução 159
Objetivos 159
Matriz de transição ou cadeias de Markov 160
Usos de cadeia de Markov 163
Exemplo 1 164
Exemplo 2 171
Referências 173

CAPÍTULO 6
TEMPO DE PASSAGEM 174
Preliminares 174
Cálculo do tempo de passagem 174
Estimação do ciclo de corte 177
Referências 179

CAPÍTULO 7 
PLANO DE MANEJO 180
Visão geral de planejamento 180
Visão geral do manejo, da política e da legislação florestal 180
Princípios do manejo florestal 181
Princípios gerais 181
Fundamentos técnicos 181
Zoneamento legal da propriedade 182
Plano de manejo 182
Estrutura básica de um PMFS 183
Etapas para realização de um PMFS 192
Referências 193

CAPÍTULO 8 
DETERMINAÇÃO DE CORTES SELETIVOS 194
Diretrizes técnicas 194
Controle do corte pela área 195
Exemplo 195
Controle pelo volume 196
Método mexicano de desbaste 196
Método filipino de cálculo do volume de corte anual 198
Método de cálculo do volume de corte anual 198
Fórmula de amortização de Meyer 199
Fórmula austríaca 199
Fórmula de Black Hills (MEYERS et al., 1961) 200
Usos e limitação de vários métodos de controle de corte pelo volume 200
Combinação de área e de volume 201
Controle por área, volume e classe de estoque 201
Controle por classe de diâmetro 208
Método I (BDq ou GDq) 208
Método II (GDq) 213
Referências 215

CAPÍTULO 9 
REGULAÇÃO DA PRODUÇÃO 216
Fundamentos teóricos 216
Exercícios 219
Referências 222

CAPÍTULO 10 
CENSO COM MAPEAMENTO DE ÁRVORES 223
Introdução 223
Metodologias de inventários 100% com mapeamento de árvores 224
Metodologia I 224
Metodologia II 225
Metodologia III 228
Referências 232

CAPÍTULO 11 
SISTEMA DE COLHEITA 234
Introdução 234
Atividades de colheita de impacto reduzido (CIR) 234
Descrição sucinta das principais atividades 234
Mapeamento e zoneamento da propriedade 234
Plano de manejo florestal 236
Delimitação das UPAs 237
Divisão das UPAs em UTs 237
Inventário 100% com mapeamento de árvores 237
Corte de cipós 238
Instalação e primeira medição de parcelas permanentes 238
Determinação da intensidade de corte 238
Seleção e marcação das árvores para abate 238
Rede viária florestal e pátios de estocagens de toras 239
Plano operacional anual (POA) 239
Abate direcional 240
Traçamento dos fustes 240
Arraste 240
Carregamento da madeira 241
Transporte da madeira 241
Descarregamento da madeira 241
Segunda medição de parcelas permanentes 241
Silvicultura pós-colheita 241
Monitoramento ou inventário florestal contínuo 242
Referências 242

CAPÍTULO 12
SISTEMAS SILVICULTURAIS APLICADOS ÀS FLORESTAS TROPICAIS 244
Introdução 244
Tratamento silvicultural 246
Corte de cipós 246
Exploração ou colheita florestal 247
Corte ou abate de árvores 248
Refinamento e liberação 248
Plantio de enriquecimento 249
Exemplo de sistemas silviculturais 250
Sistema CELOS 250
Sistema seletivo na Flona do Tapajós 251
Sistema de Seleção de Espécies Listadas (SEL) 251
Sistema de manejo em faixas alternadas (MAFA) 253
Recuperação de florestas secundárias 254
Referências 255

CAPÍTULO 13 
IMPACTOS AMBIENTAIS DO MANEJO DE FLORESTAS NATIVAS 258
Introdução 258
Conceitos básicos 258
Métodos de avaliação de impacto ambiental 260
Fatores ambientais 261
Critérios de avaliação qualitativa 261
Etapas de uma análise de avaliação de impacto ambiental 261
Definição das partes interessadas 261
Definição do conteúdo do documento 262
Coleta e análise de dados 262
Identificação e avaliação da significância dos impactos ambientais 262
Identificação das medidas ou ações mitigadoras ou alternativas 265
Elaboração de relatório de impactos ambiental e social 266
Exemplo de avaliação quantitativa de danos de colheita de madeira 266
Descrição do sistema de colheita florestal 266
Amostragem e coleta de dados de campo 267
Processamento e análises de dados 267
Análises dos resultados 268
Referências 275



CAPÍTULO 14 
AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE PLANOS DE MANEJO DE FLORESTAS NATIVAS 277
Valor econômico das florestas nativas 277
Métodos de valoração econômica de florestas 278
Valor presente líquido 279
Valor anual equivalente ou benefício (custo) periódico equivalente 279
Taxa interna de retorno (TIR) 280
Razão benefício/custo (B/C) 280
Valor esperado da terra (VET) 280
Custo médio de produção (CMP) 281
Análise de sensibilidade 281
Exemplos 281
Exemplo 1 281
Exemplo 2 282
Exemplo 3 285
Exemplo 4 286
Exemplo 5 287
Exemplo 6 288
Exemplo 7 291
Exemplo 8: Custos de certificação 298
Referências 299

CAPÍTULO 15 
USO MÚLTIPLO DE FLORESTAS NATIVAS 301
Produção sustentável 301
Conceitos de uso múltiplo 302
Exemplo de aplicação do uso múltiplo em florestas 309
Referências 312

CAPÍTULO 16 
CRITÉRIOS E INDICADORES PARA MANEJO SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS NATIVAS 313
Introdução 313
Principais conceitos 314
Princípios, critérios e indicadores 316
Critérios e indicadores da ITTO 317
Princípios, critérios e indicadores do FSC 318
Princípios e critérios da ABNT 319
Aplicação em planos de manejo florestal sustentável 319
Origens da madeira no mercado 320
Referências 321